quarta-feira, 22 de julho de 2009

Noites traiçoeiras

Pegue os meus tecidos, minhas moedas e minhas jóias e queime diante de todo o povo.

Abra a porta da frente e que por ela saíam homens livres e de bem, que antes se chamavam apenas "servo", "escravo".

Solte o meu rebanho, queime meus pastos e faça ruir, pedra a pedra, todos os meus castelos.

Se indagarem insanidade, rirei doce, febril, e pedirei a tua permissão para responder que o meu único bem é inigualável a qualquer outra coisa que habite esse mundo e que cedo em lucidez ímpar tudo o que foi, é e seria meu apenas para ouvir o barulho da tua respiração tranqüila numa noite de tormenta.

2 comentários:

  1. olha, deliciosa surpresa, o bolo e os seus textos, amei demais...voltarei sempre, virei freguesa!

    ResponderExcluir